MAQUININHA PAGSEGURO

Aumente suas vendas aceitando débito e credito.
Compre em condições especiais pelo link:

Meio Ambiente (25) Desenvolvimento

Os alunos da primeira série realizaram nova produção de texto, desta vez, o tema foi a joaninha:





A cada dia que os alunos produzem, sentimos melhoras, as primeiras frases não tinham o mesmo conteúdo e argumentação que as últimas e o trabalho tem sido gratificante na Língua Portuguesa e na produção de texto que os aluno precisam aprender a fazer nessa fase da primeira série. Os trabalhos do grupo 2 continuaram com o estudo dos mandamentos ecológicos abaixo. O mesmo foi produzido em forma de cartaz e encontra-se fixado no pátio para “fazer lembrar” todos os alunos da escola: MANDAMENTOS ECOLÓGICOS 1. Estabeleça princípios ambientalistas Estabeleça compromissos, padrões ambientais que incluam metas possíveis de serem alcançadas. 2. Faça uma investigação de recursos e processos Verifique os recursos utilizados e o resíduo gerado. Confira se há desperdício de matéria-prima e até mesmo de esforço humano. A meta será encontrar meios para reduzir o uso de recursos e o desperdício. 3. Estabeleça uma política ecológica de compras Priorize a compra de produtos ambientalmente corretos. Existem certos produtos que não se degradam na natureza. Procure certificar-se, ao comprar estes produtos, de que são biodegradáveis. Procure por produtos que sejam mais duráveis, de melhor qualidade, recicláveis ou que possam ser reutilizáveis. Evite produtos descartáveis não reciclados como canetas, utensílios para consumo de alimentos, copos de papel, etc. 4. Incentive seus colegas Fale com todos a sua volta sobre a importância de agirem de forma ambientalmente correta. Sugira e participe de programas de incentivo como a nomeação periódica de um campeão ambiental” para aqueles que se destacam na busca de formas alternativas de combate ao desperdício e práticas poluentes. 5. Não desperdice Ajude a implantar e participe da coleta seletiva de lixo. Você estará contribuindo para poupar recursos naturais, aumentar a vida útil dos depósitos de lixo, diminuir a poluição, investigue desperdício com energia e água. Localize e repare os vazamentos de torneiras. Desligue lâmpadas e equipamentos quando não estiver utilizando. Mantenha os filtros do sistema de ar condicionado e ventilação sempre limpos para evitar desperdício de energia elétrica. Use os dois lados do papel prefira o e-mail ao invés de imprimir cópias e guarde seus documentos em disquetes, substituindo o uso do papel ao máximo. Promova o uso de transporte alternativo ou solidário, como planejar um rodízio de automóveis para que as pessoas viajem juntas ou para que usem bicicletas, transporte público ou mesmo caminhem para o trabalho. Considere o trabalho à distância, quando apropriado, permitindo que funcionários trabalhem em suas casas pelo menos um dia na semana utilizando correio eletrônico, linhas extras de telefone e outras tecnologias de baixo custo para permitir que os funcionários se comuniquem de suas residências com o trabalho. 6. Evite poluir seu meio ambiente Faça uma avaliação criteriosa e identifique as possibilidades de diminuir o uso de produtos tóxicos. Converse com fornecedores sobre alternativas para a substituição de solventes, tintas e outros produtos tóxicos. Faça um plano de descarte, incluindo até o que não aparenta ser prejudicial como pilhas e baterias, cartuchos de tintas de impressoras. Faça a regulagem do motor dos veículos regularmente e mantenha a pressão dos pneus nos níveis recomendados. Assegure-se que o óleo dos veículos está sendo descartado da maneira correta pelos mecânicos. 7. Evite riscos Verifique cuidadosamente todas as possibilidades de riscos de acidentes ambientais e tome a iniciativa ou participe dos esforço para minimizar seus efeitos. Não espere acontecer um problema para só aí se preparar para resolver. Participe de treinamentos e de preparação para emergências. 8. Anote seus resultados Registre cuidadosamente suas metas ambientais e os resultados alcançados. Isso ajuda não só que você se mantenha estimulado como permite avaliar as vantagens das medidas ambientais adotadas. 9. Comunique-se No caso de problemas que possam prejudicar seu vizinho ou outras pessoas, tome a iniciativa de informar em tempo hábil para que possam minimizar prejuízos. Busque manter uma atitude de diálogo com o outro. 10. Arranje tempo para o trabalho voluntário Não adianta você ficar só estudando e conhecendo mais sobre a natureza. É preciso combinar estudo e reflexão com ação. Considere a possibilidade de dedicar uma parte do seu tempo, habilidade e talento para o trabalho voluntário ambiental a fim de fazer a diferença dando uma contribuição concreta e efetiva para a melhoria da vida do planeta. Você pode por exemplo, cuidar de uma árvore, organizar e participar de mutirões ecológicos de limpeza e recuperação de ecossistemas e áreas de preservação degradados, resgatar e recuperar animais atingidos por acidentes ecológicos ou mesmo abandonados na rua, redigir um projeto que permita obter recursos para a manutenção de um parque ou mesmo para viabilizar uma solução para um problema ambiental, fazer palestras em escolas, etc. Vilma Bema O texto acima, em sua maior parte, em quase nada se refere às crianças, aos nossos alunos em si, mas dizem respeito à muitas das atitudes dos pais, ou seja, das famílias, e a intenção do estudo destes mandamentos ecológicos é que de conhecimento deles, os filhos cobrem mudanças de atitudes dos pais. Abaixo, a foto do cartaz dos mandamentos ecológicos:

A ecologia ficou tão presente na nossa cabeça que até o dia das crianças não poderia deixar de fugir do tema: as lembranças dos alunos foram tartarugas feitas de papel cartão verde e colocados cascos de fundo de garrafa PET de 2 litros. O trabalho ficou assim:


Ao todo foram confeccionadas 110 tartarugas, onde foram colocados doces para as crianças, um trabalho de paciência auxiliado por todos os professores!




Continuando os trabalhos, os alunos do pré escola produziram pequenos quadros com o tema “Natureza” suando tinta guache:












Estes foram apenas alguns dos trabalhos produzidos pelos alunos.




Além disso, os alunos já iniciaram o trabalho de jardinagem, estão aprendendo a cuidar dos jardins da escola tirando o mato principalmente dos canteiros de flores da frente da escola.



Fora o trabalho de cuidar dos jardins que já está à nível inicial sendo dado aos alunos, a horta, uma conquista muito difícil, também já está quase pronta. Conseguimos montar os canteiros (cada turma ficará responsável por um canteiro), e já conseguimos algumas mudas. A turma do pré escolar já iniciou seus trabalhos na horta há alguns dias quando plantaram sementes de feijão para observar seu crescimento. As mudas ou aliás, os pés de feijão já estão grandes já.



A seguir, os alunos do pré cuidando do jardim:




Às vezes é até engraçado ver a seriedade com que crianças tão pequenas tem em relação às tarefas que lhe são dadas. Nessa ocasião (a primeira visita dirigida ao jardim), os alunos estavam tomando tanto cuidado em relação às flores, para não pisar nelas e só tirar o mato etc. É por isso que devemos investir nas crianças para tentar mudar a realidade ambiental que vivemos hoje!




Em seguida, algumas fotos da horta, que já está quase pronta:


E em seguida, os pés de feijão no canteiro do pré. Além deles há também mudas de hortelã:


Os alunos da primeira série realizaram mais uma produção de texto, desta vez com o tema “folha”:


E assim, encerraram-se as ações do tema “solo” e entramos no segundo tema com algumas muitas aulas de atraso, que só não são assim consideradas visto o ganho de conteúdo dos alunos em relação ao tema anterior.




O grupo 2 estudou o texto abaixo:



REUTILIZAÇÃO DA ÁGUA



Embora a água como um todo seja uma substância abundante em nosso planeta, a água doce e potável, necessária à vida vegetal e animal não é tão farta assim. Muitos esforços têm sido realizados no sentido de reaproveitá-la para servir aos mais diversos interesses. Entre esses interesses destaca-se sua reutilização na irrigação e nos processos industriais.



Em Tallahassee Flórida- Estados Unidos, a água é reaproveitada na irrigação de fazendas desde 1966. Essa tecnologia consiste na recuperação da água em uma estação de tratamento; depois ela é bombeada para treze centros de irrigação, percorrendo uma distância de 14 quilômetros. Depois de reciclada, a água de origem doméstica também é reutilizada a irrigação de parques em Aurora, Estados Unidos.



Empresas multinacionais também descobriram as vantagens da recuperação da água. A empresa norte-americana IBM, da Califórnia, recupera a água e reutiliza para fins de resfriamento. Esse processo permitiu à empresa reduzir o consumo de 380000000 de litros de água por ano, economizando 150 mil dólares por ano.



Estudando o texto



Propor uma análise de como a água que se usa em casa pode ser reaproveitada pois normalmente as pessoas acham que quem tem obrigação de cuidar da natureza, de economizar água e luz é sempre o vizinho, a idéia é chamar a responsabilidade para cada aluno e para as suas famílias.



Ainda com o grupo 2 foi estudado o texto abaixo:



A Situação da Água Doce no Planeta Terra

O globo terrestre, visto do alto pelos astronautas, parece constituir-se

quase totalmente de água. Entretanto, a maior parte da água que é vista não

pode ser consumida pelos seres humanos. pois é salgada.

A água existente no nosso planeta, se considerada em conjunto, é imutável,

enquanto a população humana cresce aceleradamente.

Essa quantidade de água, estimada em 1.360 quatrilhões de toneladas, está assim distribuída: 95,5% nos oceanos e mares (água salgada), 2,2% nas

calotas polares e geleiras, 2,28% como água subterrânea, 0,01% nos lagos e

pântanos e 0,01% na atmosfera e nos rios.

Como vemos, a água doce forma como a consumimos, é pouca e o seu consumo cresce mais rápido do que o aumento da população em face do seu uso

crescente pelas indústrias e pela irrigação, sem contar com o desperdício. O

consumo global está, atualmente, em torno de 4,5 trilhões de metros cúbicos

por ano.

Enquanto o uso da água cresce em grandes proporções, seus mananciais

continuam invariáveis em quantidade. O desequilíbrio entre a população

mundial e as reservas de água doce avulta com o passar dos anos e já

preocupa vários países, não somente os que seriam as primeiras vítimas mas,

sobretudo, aqueles que se julgam responsáveis pelos destinos da humanidade.

A ciência e a indústria já se encontram mobilizada para combater o problema

através de programas extensivos de combate ao desperdício, preservação da

natureza e das fontes hídricas, dessalinização, transposições de vazões,

reutilização das águas servidas e exploração do subsolo.

EROSÃO - o fenômeno de degradação e decomposição das rochas ou as modificações sofridas pelo solo devido a variações de temperatura e, principalmente à ação da água e do vento, é chamado de erosão. A erosão também pode ser induzida pela ação humana que acelera esse processo por meio de:



- culturas não adaptadas às características das terras;

- queimadas;

- desmatamento;

- mineração;

- compactação do solo pelo mau uso de máquinas;

- plantio feito de forma incorreta;

- ocupação irregular e não planejada de morros; e

- pisoteio excessivo do gado em pastagens.

Tipos de Erosão:

- Laminar: Arraste de uma camada muito fina e uniforme do solo, sendo a forma mais perigosa de erosão, uma vez que não percebida logo no início, faz-se notar somente quando atinge um grau muito elevado, após descobrir as raízes das plantas.

- Sulcos: formação de valas ou sulcos no terreno, sendo facilmente percebida. Em estágios mais avançados favorece o aparecimento de voçorocas.

- Voçorocas ou Boçorocas: aparecem geralmente nos terrenos arenosos e porosos. Em estágios avançados são de difícil recuperação.

Erosão por Água e Vento:

- Pluvial (ação das chuvas)

- Fluvial (ação dos rios)

- Marinha ( ação do mar)

- Glacial ( ação do gelo)

- Eólica (ação do vento)

Técnicas para Controle da Erosão e Conservação do Solo:

- Marcar as curvas em nível: diminui os efeitos de declividade do terreno. As culturas não devem ser implantadas morro abaixo.

- Terraceamento: construção de obstáculos seguindo as curvas em nível ou não, para reduzir a velocidade das águas que escorrem pelo terreno.

- Capina Alternada: evita que o terreno fique completamente limpo não sendo aconselhável na época da seca deixar o mato sobre o solo, devido a concorrência com a plantação na absorção da água.

- Adubação Verde: consiste no plantio de leguminosas nas entrelinhas de culturas perenes ou em terrenos que irão receber culturas anuais, visando proteger o solo, acumular matéria orgânica e reter a umidade.

- Calagem: incorporação de calcário no solo para melhorar a absorção de nutrientes e agregação das partículas do solo, promovendo melhor infiltração da água.

Problemas Causados pela Erosão:

- Perda de solo pelo arraste de partícula, acarretando queda na produtividade;

- Assoreamento dos cursos d'água (nascentes, córregos e rios);

- Contaminação nas águas por agroquímicos (agrotóxicos e fertilizantes químicos) que são arrastados com partículas do solo;

- Desmoronamento de encostas e taludes (degraus com inclinação determinada para conter a encosta) ou abertura de valetas.



E em outra aula, os alunos entraram em contato com o texto:





Água: o ouro do terceiro milênio



Embora o Brasil colecione títulos dignos de orgulho - como em várias modalidades

esportivas -, infelizmente ainda temos de engolir alguns outros não tão dignos: o de ser um dos países que mais desperdiça água no mundo

Pouca gente sabe, mas atualmente 40% do volume de água tratada que é servido à população acaba, literalmente, sendo desperdiçado. O fato de o nosso país ter sido tão abençoado pela natureza não justifica essa “cultura do desperdício”.

O problema é que essa constatação pode ser encarada como mais uma daquelas vergonhas que o brasileiro costuma esconder, só que o caso é realmente grave: a água está se tornando escassa em todo o planeta e se as coisas não começarem a mudar, poderemos assistir à concretização daqueles cenários desolados dos filmes futuristas.



Desde o final do ano de 1997, o governo está tentando atingir companhias de saneamento, empresas e usuários em geral com uma campanha que visa baixar as perdas de água para 25%: trata-se do Programa Nacional de Combate ao Desperdício de Água. Pelos cálculos da Secretaria de Política Urbana (SPU), se o programa for bem sucedido, essa redução vai resultar numa economia de 2,6 bilhões de metros cúbicos de água, avaliada em R$ 1,27 bilhão por ano. Nada mau, para um país que precisa acertar suas contas.

O setor rural também apresenta uma performance merecedora de atenção: é o maior usuário do Brasil, correspondendo a cerca de 70% do consumo total de água e, lamentavelmente, é também o maior poluidor. A Secretaria de Recursos Hídricos está montando o Projeto de Conservação e Revitalização de Recursos Hídricos, tendo como alvo o setor rural. Ainda em fase experimental, o projeto prevê a expansão para uma visão de manejo integrado de solo e água. A intenção é desenvolver campanhas educativas e oferecer financiamento para atividades que recuperam e melhorem os mananciais, estimulando os produtores a, por exemplo, recuperar matas ciliares ou cuidar para que os dejetos de suas propriedades não contaminem os mananciais.

No âmbito urbano, além das medidas concretas como verificação e eliminação de vazamentos e ligações clandestinas, alteração das normas de construção de prédios e residências, entre outras, existe também um grande desafio que é a mudança no comportamento da população que, atravessando gerações, vem enraizando cada vez mais a cultura do desperdício.

Sede mundial



Segundo alerta da ONU (Organização das Nações Unidas), divulgado no mês de março, dentro de 25 anos, aproximadamente, um terço da população mundial enfrentará graves desabastecimentos de água, aumentando o perigo de guerras pelos recursos hídricos. A declaração do vice-secretário geral da ONU, Hans van Ginkel, não foi nada animadora: “conflitos por causa de água, guerras civis e internacionais ameaçam tornar-se um fator-chave do panorama mundial no século XXI”.

Ainda de acordo com o relatório da ONU, a escassez de água é agravada pela poluição, pelo uso ineficiente e pelo consumo insustentável dos lençóis subterrâneos através dos poços artesianos. As reservas hídricas também são prejudicadas por sua administração insuficiente e fragmentada, relutância em tratar a água como patrimônio econômico público e pela inadequada preocupação com a saúde e questões ambientais.

Tudo isso pode parecer “coisa de ecologistas apavorados” mas, infelizmente, não é. Embora dois terços da superfície da Terra sejam realmente cobertos por água (formando um volume de 1,5 bilhão de Km3), a verdade é que cerca de 97,5% desse total são constituídos de água salgada. Restam, portanto, 2,5% que ainda incluem os gelos polares.

A ONU está preocupada e com razão: hoje já sabemos que o estoque utilizável de água potável, de 9 mil Km3 ao ano, está próximo do esgotamento. A recomendação é que consumidores e cidadãos participem mais direta e ativamente na administração desse recurso natural.

E no Brasil...



Atualmente muitos países já enfrentam problemas com a escassez de água. Mas o Brasil tem muita água, podem pensar alguns. É o Brasil realmente tem. A Amazônia, por exemplo, é portadora da maior bacia fluvial do mundo. Só que esses “muitos e maiores” são também aplicados às taxas de poluição e desperdício. Só para se ter uma idéia, apenas na região metropolitana de São Paulo, metade da disponibilidade de água está afetada pela existência de lixões sem qualquer tratamento sanitário*. A água contaminada é responsável pela transmissão várias doenças como desinteria e cólera, entre outras.

Em outras regiões do Brasil a história não é muito diferente: metais tóxicos, como o mercúrio usado no garimpo, acumulam-se criminosamente em nossas águas. Para cada 450 gramas de ouro extraídos dos rios da Amazônia, o dobro de mercúrio é despejado na água resultando num cálculo assustador: cerca de 100 toneladas anuais desse metal envenenam a Bacia Amazônica.

No setor rural, lamentavelmente, é onde ocorre a maior taxa de desperdício por conta de métodos de irrigação não racionalizados. A grande quantidade de água utilizada no setor agrícola pode ser sensivelmente reduzida com a implantação de processos de irrigação bem planejados. O setor também contribui para o aumento da poluição, despejando nas águas os restos de pesticidas agrícolas.

E o que fazer? Temos de exigir que a administração do uso da água seja feita com responsabilidade. Além disso, cada um de nós, não importa nossa atividade profissional, somos seres humanos dependentes deste valioso recurso natural. Se em cada momento do nosso dia-a-dia, tivermos em mente que somos responsáveis pela nossa água do futuro, poderemos contribuir para garantir uma límpida e potável reserva.

• Segundo dados preliminares do estudo “Entre Serras e Águas” da Secretaria de Estado do Meio Ambiente.







O estudo de textos á título de informação sobre o assunto é muito importante para que o aluno tenha embasamento teórico para saber o porque de estar preservando esse recurso natural que corre sério risco de acabar. E se ele acabar, infelizmente acabamos com ele!



Tudo isso é contado de maneira muito interessante e numa linguagem muito acessível no texto abaixo, do qual foi realizado um cartaz, parecido com o cartaz dos mandamentos ecológicos e colocado na parede do pátio:







Cartilha da Água

Dos 08 aos 80 anos, sempre temos o que aprender:

1. Água é vida; sem água não há vida.

2. Podemos viver sem chuva, mas não podemos viver sem água.

3. Se na nossa região não chove, não quer dizer que precisamos abandoná-la.

Apenas precisamos aprender a conviver com pouca água.

4. Podemos conseguir água perfurando poços amazonas, poços tubulares ou

trazendo de outros mananciais, por meio de tubulação, canal, carro-pipa e

até de trem;

5. A água é um recurso natural como o petróleo, a madeira, o carvão; por

isso não podemos desperdiçá-la.

6. A chuva é uma dádiva de DEUS, mas que não chega sempre na hora que

precisamos. Quando, por uma felicidade, chega no nosso sítio, não devemos

desperdiçá-las só porque chegou "de graça". Devemos é "apará-la" na

"biqueira", depositando-a em cisternas, para usá-la quando as chuvas

pararem.

7. Se tivermos um poço, não devemos tirar água na época da estiagem, pois

assim ele irá secar logo. Todo poço precisa de um tempo de "descanso" para

recuperar sua água devendo sempre trabalhar "um tempo" e descansar "dois

tempos" para ter longa vida;

8. Elimine as algarobeiras num raio de 100 metros de seu poço, pois ela tem

uma "raiz sugadoras" que vai buscar água longe. Ela bebe muita água e por

isso "chove"à noite, isto é ela bebe tanta água que à noite devolve à

atmosfera. A algarobeira não é nordestina; na região de onde ela veio a

atmosfera é muito seca, isto é não tem muita umidade, por isso ela precisava

fazer "chover" à noite. Aqui no Semi-Árido do Nordeste do Brasil ela está

competindo conosco, na luta pela pouca água que temos no subsolo;

9. Você sabia que água é como gente? Pois é! Água tem "alma" e "esqueleto".

O Sol, quando leva água dos nossos açudes, só leva a "alma" para as nuvens,

deixando nos açudes o "esqueleto", que são todas as "sujeiras": os sais, os

agrotóxicos, os coliformes fecais e todos os "bichinhos" que transmitem

doenças às pessoas.

10. O Sol "não brinca em serviço". Todo ano ele leva 2 (dois) metros de água de

qualquer açude. Se o açude é raso, ele o seca totalmente, deixando apenas as

"sujeirinhas" e os sais. Quando acaba a água ele continua sugando a umidade

do solo até rachar. Às vezes, o fundo do açude fica esbranquiçado pelo sal

que se acumula.

11. Quando o açude é muito profundo, o Sol vai retirando a "alma", que é a

"água doce", deixando os "esqueletos" e, se o açude passar muitos anos sem

sangrar, a água vai ficar tantos "esqueletos" que se torna salobra.

12. A água salobra pode não servir para o consumo das pessoas, mas pode

servir para os animais, principalmente para os caprinos.

13. Quando só dispomos de água salobra, podemos separar os sais e todas as

"sujeiras", com um equipamento moderno chamado dessalinizador. Um

dessalinizador não é um "bicho do outro mundo". É apenas um coador moderno

que filtra a água de tal modo que só deixar passar a "alma" que é a "água

doce", fazendo portanto, o mesmo papel do sol. Ele separa a água "salmoura"

que é o resíduo líquido, que não serve para o consumo humano mas serve para

uso na limpeza. A salmoura não deve ser usada para irrigar plantas nem ser

lançada no riachos. Deve ser depositada em tanques rasos para evaporar e

depois aproveitar o sal.

14. Não sei se você sabe, mas água nasce. Quem nasce é pé-de-milho,

pé-de-feijão. Água surge, isto é, precisa entrar num lugar para sair em

outro. Por isso, na nossa região, quando para de chover, logo os córregos,

riachos e rios param de correr. Até as "fontes de água" nos períodos de

estiagem começam a "minguar" e terminam secando;

15. As águas dos poços profundos ou tubulares são resultantes das chuvas dos

invernos passados, cujas águas se infiltraram lentamente no solo e ficaram

guardadas. Quando passam alguns anos com pouca chuva os poços profundos

também secam.

16. Se água nascesse seria muito bom! Era só sair por aí plantando "gotas

d'água" para nascer pé-de-água e assim poderíamos gastar sem controle;

17. A água nem cresce nem diminui! Ela é finita, enquanto a população não

para de crescer e o seu consumo pela indústria e pela agricultura cresce

mais do que a população;

18. A agricultura irrigada consome 85% da água doce disponível, enquanto a

indústria consome 10% e nos demais usos apenas 5%.

19. A água, como um todo, é finita e constante, porém a água doce, a que

serve para o consumo humano e animal, a indústria e a agricultura vem

diminuindo a cada instante. Sabe por que? Porque estamos poluindo os nosso

mananciais.

20. Pois é, o ser humano vem a cada instante poluindo tudo, sujando os rios

os lagos e até o mar.

21. Você sabia que a maior parte da água do planeta Terra está no mar? Pois

é, no mar estão 95% da água doce do planeta. Os 5% restantes são assim

distribuídos: 2,20% nas calotas polares e geleiras; 2,28% no subsolo como

água subterrâneas; 0,01% nos lagos e pântanos e, 0,01% na atmosfera e rios;

22. Quem "salva" a maior parte da água da poluição é o Sol, a outra

parte "procura" se infiltrar no solo para formar as águas subterrâneas ou

corre para o mar, para se juntar às que já estão salgadas.

23. Nem estando no mar a água se livra da ação do homem e da mulher também,

que estão poluindo o mar. O Sol vai buscar a maior parte da água doce no mar

para formar as nuvens.

24. Agora já sabemos que água não nasce, não se suja, nem é salobra, nem

salgada, apenas ela está "carregando" as sujeiras, as podridões, os sais em

menores ou maiores quantidades, porém não se mistura. O Sol sabe disso há

muito tempo e sempre que precisa vai buscar onde estiver exposta.

25. As plantas também sabem limpar a água de que precisam e o fazem pelo

processo natural, chamado de osmose, o processo artificial de tirar o sal e

as "sujeiras" da água, é o inverso da osmose e foi apelidado de osmose

reversa.

26. É "burrice" de nossa parte desperdiçar um recurso escasso como a água

doce. Você já viu alguém desperdiçar ouro? A água doce será o ouro líquido

do século XXI, portanto não pode ser desperdiçada;

27. Existem muitas maneiras de economizar água doce:

a.. no escovar os dentes

b.. no lavar as mãos

c.. nas descargas dos sanitários

d.. na lavagem da casa

e.. na lavagem dos pratos

f.. no banho

g.. na lavagem dos carros - são tantas maneiras que não dá nem para

declinar, pois cada pessoa, conforme sua atividade, é que tem de descobrir a

melhor maneira de evitar o desperdício

28. Podemos aproveitar todas as águas servidas para reutilizá-las em outras

atividades e outras finalidades, por exemplo:

a.. na irrigação subterrânea de pomares, que pode ser feita até com

efluentes das fossas, através de tubulações perfuradas e enterradas cerca de

um metro abaixo do nível do solo. As plantas, pelo processo de osmose retira

a água doce, os sais minerais e a matéria orgânica que necessitam para a sua

sobrevivência, nem mais nem menos do que precisa. Planta não desperdiça água

e até sabe economizar. Quando as árvores percebem que vai faltar água, isto

é, vem verão ou seca, elas logo soltam todas as folhas para não perderem a

água doce pela evapotranspiração, que é feita pelas folhas. É como se fosse

o nosso suor pela pele. Planta é sabida mesmo.

29. Quando estamos poluindo um manancial, que pode ser um poço, um açude, um rio, o mar, só estamos criando problemas para nós mesmos e principalmente

para os nossos descendentes;

30. Não devemos destruir as matas ciliares dos rios, se não eles morrem. Os

rios são como gente, que não pode ficar sem os cílios dos olhos, senão entra

poeira e "cisco" nos olhos. Os rios, riachos e córregos, quando perdem as

matas ciliares, ficam totalmente desprotegidas e aí as enxurradas das chuvas

carreiam a terra para dentro deles, entupindo-os e então dizem que ele está

doente, isto é, assoreado.

31. As terras que correm nos rios vão parar nos açudes, provocando o

assoreamento. Tem açude que perde a sua capacidade de acumular água doce

pelo assoreamento.

32. Fazer fossas muito perto de poços, riachos, açudes, isto é, a menos de

30 metros, é errado, pois poderá contaminar essas fontes de água, que são os

mananciais.

33. Com os dessalinizadores, podemos aproveitar todas as águas servidas,

salobras e salgadas. Num futuro não muito distante, a humanidade vai ter que

usar todas essas águas, principalmente as dos mares, pois é lá que está a

maior parte da água doce (95%) do Planeta Terra. Já imaginou a besteira que

fazemos quando poluímos os mares e oceanos?

34. Já deu para sentir que tudo tem seu custo, e para que a "água doce nossa

de cada dia" não custe os "olhos da cara", teremos que dar mais de um uso

para ela, isto é, fazendo a reutilização ou o reuso.

35. No próximo milênio, vamos depender demais do reuso das águas servidas;

36. Com os conhecimentos que temos agora, não iremos nunca mais desperdiçar

água e não precisamos mais abandonar o nosso sítio, só porque não tivemos

chuvas, pois sabemos que podemos viver sem chuva, só não podemos viver é sem água. A chuva é uma dádiva de DEUS, mas a distribuição de água doce, da água de beber é uma obrigação do Governo.

37. Vamos agora aprender a definição do bem maior da vida, para o qual não

existe sucedâneo/substituto:

ÁGUA DOCE - é um recurso renovável, porém finito e de ocorrência aleatória.

a.. renovável: - pela capacidade de se recompor em quantidade,

principalmente pelas chuvas e por sua capacidade de absorver poluentes:

b.. finito: - os mananciais não são incrementados, muito pelo contrário,

definham pela ação destruidora do homem;

c.. aleatório: - distribui-se de modo irregular no tempo e no espaço, em

função das condições geográficas, climáticas e meteorológicas



Os alunos gostaram muito da leitura desse texto devido às comparações que utiliza e a forma lúdica com que assuntos sérios são tratados, mas assim na brincadeira, as crianças guardam melhor os conteúdos importantes.



Bem, infelizmente, o nosso projeto, ou a parte que vocês tomarão conhecimento, está chegando ao fim, o projeto continuará até o início de dezembro, mas até lá até a festa de premiação do Agrinho já terá acontecido...



A última atividade realizada nessa fase “Agrinho” do projeto foi o SHOW DO MILHÃO ECOLÓGICO:

Reunimos os alunos da terceira e da quarta série para a realização do evento, explicamos as regras, convidamos o professor para atacar de Silvio Santos e começamos o jogo.




A primeira pergunta tinha o valor de R$0,01 e a última: a pergunta do milhão valeria R$10,00. Com direito à três pulos, ajuda das cartas, dos convidados do programa (os colegas) e dos universitários (professores).



Abaixo os convidados do programa:


Em seguida, os universitários:


E o jogo começa, abaixo alguns dos participantes:







Mas o participante abaixo, não deu mais chance para ninguém, tomou conta do programa:


Pediu ajuda para os colegas:




Pediu ajuda para os universitários...




E foi o feliz ganhador dos dez reais!!!




Ele é o aluno Mateus, que já havia escrito umas belas poesias nas páginas anteriores!




A seguir, as perguntas utilizadas no programa:

SHOW DO MILHÃO ECOLÓGICO



1. A escola localiza-se quase dentro de um parque de conservação. Qual é o nome completo dele:

A Parque Hilaire

B Parque Hilaire/Lange

C Parque Saint-Hilaire/Lange



2. O Parque Saint-Hilaire/Lange é um parque:

A Nacional

B estadual

C municipal



3.Quais são os bairros atendidos pela escola:

A prainha, porto

B porto, cabaraquara

C Porto, Cabaraquara e Prainha



4. A estrela do nosso sistema é:

A lua

B marte

C sol



5. Nosso sistema se chama:

A sistema terrestre

B sistema solar

C sistema lunar



6.O planeta Terra na ordem do Sistema Solar é:

A primeiro

B quinto

C terceiro



7. Nosso planeta possui quando de sua área total de água:

A um décimo

B três quartos

C um terço



8. Qual o nome do continente onde localiza-se o Brasil:

A África

B Ásia

C América



9.Por que os seres vivos precisam das plantas :

A porque elas produzem oxigênio

B porque elas enfeitam as casas

C porque elas produzem gás carbônico

10.O que aconteceria aos homens se todas as árvores e a vegetação do planeta chegasse ao fim:

A morreriam

B nada

C ficariam tristes



11. O bicho-geográfico é uma doença que entra no corpo das pessoas quando elas entram em contato com o:

A ar

B solo

C água



12. As mercadorias e produtos que as pessoas compram vem em embalagens que depois são jogadas no:

A latão

B rio

C lixo



13. Os lixos são classificados de acordo com a sua composição. De acordo com isso, os restos de comida são lixo:

A orgânico

B inorgânico

C reciclável



14. de acordo com as regras de reciclagem, não se deve misturar lixos compostos por materiais diferentes. Das alternativas, quais materiais podem ficar juntos:

A jornal e garrafa

B PET e papel de bala

C vidro e pilha



15. Tudo o que é feito nas indústrias utiliza matérias-primas. Qual é a matéria-prima do papel:

A farinha de trigo

B árvores

C papelão



16. Qual é a matéria-prima das garrafas PET

A árvore

B vidro

C petróleo



17.Qual destes materiais não pode ser reciclado:

A papel

B seringas

C vidros





18. Qual destes materiais não pode ser reciclado:

A vidro

B papel

C roupa



19. O local mais apropriado para se depositar o lixo de uma cidade é:

A os terrenos baldios

B os aterros sanitários

C o lixão



20.Quando o lixo é mal depositado ele pode poluir o meio ambiente. Qual destes tipos de poluição não é causado pelo lixo:

A poluição do solo

B poluição sonora

C poluição da água



21. A latinha de refrigerante é produzida utilizando o alumínio que é extraído:

A da terra

B da bauxita

C do petróleo



22.Quando nos preocupamos com o meio ambiente, cuidando do lixo, economizando a água, e a energia elétrica estamos:

A certos

B errados

C não faz diferença



23. Quantas consoantes existe na palavra PARQUE:

A duas

B três

C quatro



24.Quantas letras possui a palavra AMBIENTE:

A seis

B sete

C oito



25. Qual é o órgão municipal responsável pelo meio ambiente:

A Secretaria do Bem estar

B IAG

C IBAMA



26. A sigla MMA significa:

A Ministério do Meu Ambiente

B Ministério do Meio Ambiente

C Ministro do Meio Ambiente



27. O IBAMA é o órgão do governo responsável em cuidar:

A da natureza

B da saúde

C da água



28. Quais são as três necessidades básicas dos seres humanos:

A água, ar, pizza

B refrigerante, alimento e ar

C ar, água e alimento



Quando elaboramos as perguntas ninguém imaginou que um deles fosse ganhar o prêmio e essa surpresa foi super positiva, pois mostra que eles aprenderam muito do que foi ensinado nesses dois meses de trabalho com o meio ambiente.








Nenhum comentário:

Postar um comentário